Skip to main content

Embora as pessoas estejam cada vez mais acostumadas a lidar com expressões como inteligência artificial (IA), machine learning (ML) e algoritmos, muita gente ainda se surpreende ao ser impactado por toda essa tecnologia no seu dia a dia. A Netflix é um bom exemplo disso, provocando aquela sensação de “como eles sabem que vou gostar disto?” ao recomendar conteúdos aos seus clientes.

 

Mas realmente não se trata de adivinhação. É justamente a IA e o ML que permitem às plataformas de streaming – e outras tantas empresas – a entender o que seus usuários desejam e, assim, oferecer às pessoas justamente o que elas buscam. Mais do que isso: essa tecnologia vem ajudando as empresas a direcionar investimentos, fidelizar clientes e aumentar o faturamento fazendo recomendações adequadas de qual o próximo conteúdo a ser assistido ou produto que deve ser comprado.

 

Neste artigo, vamos falar um pouco mais a respeito de como a Netflix e outras empresas vêm utilizando a IA e impactando a vida da população em todo o mundo, de que forma a inteligência artificial se manifesta em nossas vidas sem que a gente perceba e como a tecnologia pode ser usada para impulsionar diversos segmentos da economia — com cases da UniSoma para dar o exemplo. Comece a leitura agora mesmo!

 

O que é inteligência artificial?

 

A inteligência artificial pode ser definida, de forma breve, como um método pelo qual um computador é capaz de operar com base em dados e por meio de algoritmos analíticos. Assim, a máquina consegue entender, analisar e aprender com os dados. A IA pode ser um processo automatizado. Ou seja, as máquinas podem lembrar padrões de comportamento e adaptar suas respostas, adequando-se a esses comportamentos ou incentivando mudanças.

 

Aí entra também o conceito de machine learning — ou aprendizado de máquina: um processo a partir do qual os computadores aprendem a oferecer respostas a partir de grandes conjuntos de dados (big data) e do feedback constante dos humanos que interagem com ela.

 

Os algoritmos (processo ou conjunto de regras a serem seguidas em cálculos ou outros tipos de operações focadas em resolver problemas) também habitam esse universo de possibilidades. Vamos falar mais sobre eles ao longo do texto.

 

O uso da inteligência artificial na Netflix

No site de pesquisa da gigante do streaming, o Netflix Research, a empresa se posiciona como uma companhia que investe pesado em inteligência artificial e, mais especificamente, em machine learning. Seu objetivo é melhorar continuamente a experiência dos usuários em sua plataforma.

 

O ML faz parte de diversas etapas dos processos de trabalho da Netflix: criação de protótipos, design, implementação, avaliação e produção de modelos e algoritmos — tanto por meio de experimentos offline quanto por testes A/B. A consequência disso é que o machine learning impacta diversas áreas dentro da organização.

 

O que chama mais a atenção é, de fato, a personalização do conteúdo oferecido aos usuários. É por isso que a Netflix causa a impressão de “ler a mente” de seus clientes, sabendo qual seu gênero cinematográfico favorito, quais atores e atrizes mais apreciam, que tipo de série adoram maratonar, entre outras preferências. Mas o uso da IA vai (muito) além disso.

 

Ao entender os gostos de seus usuários, a Netflix passa a contar com um embasamento muito maior para tomar decisões financeiras importantes, como o investimento a ser realizado em suas produções originais. Afinal, mais do que uma plataforma de streaming, hoje a Netflix é um poderoso “estúdio de Hollywood” — inclusive já tendo ganhado Oscars por filmes como “Roma”, de Alfonso Cuarón.

 

O uso do ML não para por aí. A tecnologia também permite à Netflix otimizar a codificação de vídeo e áudio, a seleção de taxa de bits adaptável e sua rede interna de entrega de conteúdo — que responde por mais de um terço do tráfego da internet na América do Norte. A IA ainda potencializa os gastos da empresa com publicidade.

 

Onde mais a inteligência artificial aparece no nosso dia a dia?

 

Mas será que é apenas a Netflix que usa inteligência artificial e machine learning no dia a dia ou essas tecnologias também estão presentes em nossas vidas de outras formas? A verdade é que, embora muitas vezes passe despercebida, a IA já é nossa parceira no cotidiano há alguns anos — e a tendência é que sua presença ao nosso lado aumente cada vez mais.

 

Uma das formas mais óbvias do uso da IA em nossa rotina são as assistentes virtuais. Alexa, da Amazon; Siri, da Apple; Cortana, da Microsoft; e Google Now são os exemplos mais conhecidos. Desde acender e apagar lâmpadas até lembrar a hora de uma reunião, as IAs têm ajudado as pessoas a diminuir sua carga mental e a deixar a rotina mais leve.

 

As autoridades de trânsito também usam inteligência artificial para fazer a leitura de placas de trânsito e, a partir delas, ter acesso a uma série de dados a respeito do veículo e de seu motorista. Isso ajuda não apenas no controle do tráfego, mas também a encontrar carros roubados e furtados, por exemplo.

 

Você tem um robô aspirador? Pois saiba que esses ajudantes da limpeza em casa também contam com a ajuda da inteligência artificial. É graças a ela que os aparelhos conseguem rastrear as áreas da sua sala de estar, quartos e outros ambientes, verificar quando há objetos bloqueando a passagem para desviar do caminho e até mesmo calcular quantos ciclos de limpeza são necessários em cada etapa de limpeza.

 

Esses são apenas três exemplos, mas há outras áreas nas quais a IA está presente no cotidiano: aplicativos de transporte (como Uber), detecção facial para desbloquear o celular, ferramentas de autocorreção em editores de texto, chatbots, pagamentos digitais e muito mais.

 

Por que a inteligência artificial também é importante no mundo dos negócios?

 

A inteligência artificial tem ajudado diversos setores a otimizarem seus negócios. Com a chegada da pandemia de Covid-19, um dos mais impactados foi o de logística. A partir da enorme demanda pela entrega de compras em casa — consequência do maior uso de e-commerce por parte da população, forçada a ficar em casa por um longo período para evitar a disseminação do vírus — as empresas precisaram qualificar seus processos de delivery.

 

Entre os principais desafios — já abordados em outro artigo de nosso blog — estão a gestão de estoque, o alinhamento de expectativas do consumidor quanto às entregas e a otimização de rotas, entre outros. Mas a presença da IA no mercado não fica só nesses exemplos. A inteligência artificial é fundamental no setor de energia (para melhorar a eficiência e previsibilidade de entrega aos clientes), na educação (com maior flexibilidade de acesso às aulas e conteúdos) e até mesmo na saúde, com a distribuição de vacinas — algo que se mostrou ainda mais essencial durante a pandemia.

 

Como a UniSoma usa a inteligência artificial na prática? Conheça alguns cases!

 

Não é de hoje que a inteligência artificial vem revolucionando o mercado. Ainda assim, seu potencial de crescimento é vasto e atinge os mais diversos setores do mercado. A UniSoma vem ajudando empresas de segmentos variados a obterem excelentes resultados com o uso da IA. Veja 3 cases:

 

Marfrig

Em 2015, a Marfrig, do setor de alimentos, tinha o desafio de entender se suas decisões referentes à operação de supply chain eram as melhores. Considerando mais de 2.500 variáveis, a UniSoma construiu uma solução que dava suporte ao planejamento analítico de vendas e operações.

 

Assim, tornou-se possível aproximar agentes comerciais e de marketing para criar planos de demanda e previsões mais aderentes — e ainda gerar planos de operações de supply chain de forma integrada. Saiba mais detalhes aqui.

 

Nexa

Outro exemplo é a Nexa, uma mineradora global e produtora de zinco, cobre, chumbo, prata e ouro. Em 2016, a UniSoma apresentou uma ferramenta analítica de controle e gestão baseada em modelagem matemática e inteligência artificial.

 

Com ela, a entrada de dados na Nexa passou a ocorrer de forma muito mais intuitiva. Ao mesmo tempo, tornou o processo de planejamento mais acessível aos operadores da empresa. Um dos resultados foi revelar aos gestores o custo de cada matéria-prima em relação aos benefícios obtidos após seu beneficiamento. Leia mais sobre o case aqui.

 

Tereos

Quer mais um exemplo? O case da Tereos, líder nos mercados de açúcar, amido e álcool, dá uma boa ideia do impacto da UniSoma em um setor que tradicionalmente lida com grandes desafios operacionais decorrentes de um conflito de objetivos entre as partes agrícola e industrial — e que ainda somou o desafio da pandemia.

 

Com o apoio de uma ferramenta de modelagem matemática desenvolvida pela UniSoma, a empresa viu sua capacidade de cruzamento de informações, áreas, pessoas e dados ser ampliada em 2020. Assim, tornou mais ágil a manutenção dos ciclos mensais de S&OP (Sales and Operation Planning, ou Planejamento de Vendas e Operações). Saiba mais aqui.

 

Esperamos que nosso conteúdo tenha deixado claro o que é inteligência artificial e qual seu importante papel na sociedade como um todo. A IA e o machine learning têm um papel cada vez mais essencial tanto no nosso dia a dia com a família — quando paramos para relaxar e assistir a um filme ou série na Netflix, por exemplo — quanto em negócios dos mais variados setores.

 

Aqui, na UniSoma, usamos nosso conhecimento no assunto associado ao nosso entendimento a respeito de big data, redes neurais, conjuntos de dados, processamento de linguagem natural, ciência da computação e resolução de problemas para oferecer as melhores soluções do mercado. Não é à toa que grandes players mundiais já trabalharam com a nossa empresa há muitos anos.

 

E você? O que está esperando para colocar em prática as melhores soluções de IA e machine learning no seu negócio? Entre em contato conosco e solicite um atendimento!

Leave a Reply