logo
Top

Inteligência Artificial na cadeia de suprimentos: por que é decisivo acompanhar as tendências do mercado

Saber que o digital já é atualmente e será cada vez mais a estratégia central no gerenciamento da cadeia de suprimentos não é o suficiente. Afinal, a velocidade da transformação digital e o acirramento da concorrência exigem muito mais do gestor de Supply Chain.  Inegavelmente, é necessário acompanhar o mais atentamente possível a movimentação do mercado e as tendências que se consolidam em termos de tecnologia. Só assim ele conseguirá garantir a presença de sua organização entre as líderes e protagonistas do mercado. Por outro lado, a organização também estará em condições de reagir de forma mais rápida e assertiva ao que possa surgir no dia de amanhã.

 

Já mostramos aqui que um publicado pelo Gartner mostra os próximos três a cinco anos como marcos de um aumento na adoção de tecnologias da cadeia de suprimentos digital. Por conseguinte, o período trará, também, novas funções, mais focadas em tecnologia da informação, que os líderes deste segmento devem incorporar o quanto antes.

 

Inteligência artificial na cadeia de suprimentos

De fato, a pandemia da Covid-19 ampliou a necessidade de as organizações tomarem melhores decisões, mais informadas e com maior rapidez. Para que isso aconteça, a Inteligência Artificial desempenha um papel fundamental possibilitando que as empresas trabalharem de forma mais eficiente e organizada com as vastas quantidades de dados que elas geram. Sendo assim, elas conseguem entender o que está acontecendo em seus negócios agora e – mais importante – o que provavelmente acontecerá no futuro.

 

Só para ilustrar, uma ferramenta baseada em IA e alimentada por dados precisos é capaz de possibilitar melhores previsões de demandas e, desta forma, a empresa consegue se antecipar estrategicamente com decisões adaptadas ao que pede cada momento em termos de compras e ordens de produção. Por consequência, esse modelo resulta em entregas precisas, redução de mercadoria parada no estoque e desperdício de matéria prima, por exemplo.

 

A melhoria na gestão como linha de chegada 

Em outras palavras, a posse e a correta análise dos dados permitem transformar a informação em inteligência de negócios. Além disso, os aplicativos de IA com viabilizam o atendimento das exigências dos consumidores das novas gerações. Não apenas com a distribuição de produtos, serviços e experiências cada vez mais customizadas, mas também em tempo real.

 

Neste sentido, os otimizadores matemáticos surgem como importantes aliados na medida em que conseguem interpretar os dados e sugerir os melhores cenários. Em resumo, a geração de um cenário por um otimizador se baseia no cruzamento entre os dados mestres e transacionais. No momento em que o algoritmo de inteligência computacional analisa como estas informações se relacionam, ele aponta o melhor plano de ação.

 

Falta de análise gera atraso para Inteligência Artificial

No momento em que os dados equivalem ao novo petróleo, é preciso entender a necessidade de que eles sejam refinados para que possam proporcionar seu verdadeiro valor. Desta forma, nem todo o grande volume de dados produzidos e captados por sistemas é efetivamente utilizado em inteligência de negócios.

 

Para extrair o real benefício deste ativo é necessário o investimento em ferramentas de análise e que sejam suportadas por inteligência artificial. Em síntese, elas permitem gerar insights suficientemente capazes de desenvolver performances mais estratégicas e, consequentemente, bem-sucedidas. Na prática, isso se aplica na condução de uma gestão eficiente de fornecedores, com visibilidade do grau de dependência em relação a cada um deles. Por certo, isto significa controlar a negociação e aquisição de materiais, e acompanhar o fluxo de contratos de maneira otimizada, por exemplo.

 

No e-commerce a estratégia é acelerar na busca por insights

Por sua própria característica, a operação da cadeia de suprimentos para empresas que atuam no e-commerce pode ser descrita como uma jornada analítica constante. Uma vez que a pandemia empurrou um contingente gigante de empresas para o comércio eletrônico, essa é uma realidade presente na grande maioria das organizações.

 

Sendo assim, aquelas mais bem preparadas em termos de IA e Analytics certamente conseguirão melhores resultados. Ora no que se refere à gestão de estoque e otimização de rotas, ora na previsibilidade de demanda e outros aspectos fundamentais da operação.

 

Em princípio, isso acontece porque as soluções analíticas são geralmente personalizadas e levam em conta os dados da própria organização somados às informações de mercado.

 

Como escolher os melhores parceiros para esta jornada?

Seja como for, competir pelos primeiros lugares no ecossistema de inovação exige um nível de atualização constante e múltiplas competências, condições que demandam muito tempo e esforço de times internos.

 

Ao fazer alianças estratégicas com parceiros é possível conquistar rapidamente alguns desses requisitos. Não apenas a conexão com as principais tendências tecnológicas, mas também a experiência do desenvolvimento de soluções em outras empresas, segmentos e situações.

 

Apesar dessa vantagem, escolher o parceiro ideal requer a observação se a empresa possui conhecimento real de negócios, flexibilidade, tecnologia, organização e governança.  De fato, ter ao lado um fornecedor com essas características significa encurtar a pista e superar os obstáculos de forma econômica, eficiente e ágil. Em virtude de seu time formado por matemáticos, cientistas de dados, engenheiros, e por uma série de especialistas, a UniSoma personifica justamente este tipo de parceiro.

 

Como resultado, possuímos décadas de experiência no desenvolvimento de soluções analíticas para Supply Chain que facilitam tomar decisão e solucionar desafios em diferentes áreas. Entre em contato para entender como podemos te ajudar a permanecer na frente.