logo
Top
Consumidor e Varejo

Melhorar a gestão da cadeia de suprimentos se transforma em prioridade

Se é verdade que grandes incêndios começam por pequenas fagulhas, os altos prejuízos também geralmente têm início em erros inicialmente considerados pontuais. Essa lógica aplicada à cadeia de suprimentos de uma organização ensina que uma falha no planejamento do estoque, por exemplo, é uma situação potencialmente capaz de levar a perdas significativas no final do processo.

Com base neste raciocínio, e considerando a necessidade de encontrar rapidamente alternativas para recuperar os índices de faturamento anteriores à crise do coronavirus, o mercado está chegando cada vez mais à conclusão de que não há mais tempo para adiar o avanço para um processo analítico de gestão de supply chain, que reúna dados e indicadores para o negócio e que permita um planejamento mais eficaz.

Isso porque além de oferecem condições para evitar gastos desnecessários e perdas indesejadas, as tecnologias emergentes aplicadas de forma estruturada permitem a distribuição de produtos, serviços e a oferta de experiências cada vez mais customizadas e em tempo real, conforme as exigências dos consumidores das novas gerações. A partir da correta manipulação dos dados, é possível ter em mãos um melhor planejamento, resultados mais consistentes, redução de custos e tomar melhores decisões ao longo da jornada produtiva.

 

Inteligência Artificial (IA) e Machine Learning são partes das respostas

Não à toa, um estudo desenvolvido pela empresa especializada na produção de conteúdo para líderes de negócios Raconteur, revelou que mais de 70% dos profissionais que atuam em cadeia de suprimentos nos setores de varejo, manufatura e logística disseram que suas organizações já possuem algum tipo de tecnologia de automação integrada, ou estão planejando adotá-las nos próximos cinco anos.

Entre as tecnologias escolhidas por eles para realizar estas mudanças se destacam a Inteligência artificial, citada por 28% dos entrevistados, e machine learning, lembrada por 16% dos participantes.

Municiada por dados precisos, a IA permite às empresas, por exemplo, desenvolverem ações preventivas com relação às demandas e assim se anteciparem estrategicamente com um planejamento perfeitamente adaptado a cada momento em suas compras e ordens de produção. Na prática, esse modelo resulta em redução de mercadoria parada no estoque e desperdício de matéria prima, por exemplo.

Por sua vez, o machine learning se caracteriza pela identificação de padrões que permitem ao sistema evoluir constantemente à medida que as práticas eficientes vão sendo cada vez mais incorporadas ao procedimento cotidiano das operações.

À medida que avança a adoção de ferramentas com algoritmos de machine learning e fundamentos de analytics nas jornadas de supply chain, as empresas começam a registrar volumes cada vez menores de falhas humanas, retrabalho, perda de tempo e outros furos por onde escorrem as tão apertadas margens de lucro das negociações.

 

Pandemia mostrou a urgência da transformação digital

Antes mesmo da pandemia, este já era apontado como um caminho sem volta. No ano passado (2019) a Gartner havia divulgado uma previsão dando conta de que em 2023, pelo menos 50% das grandes empresas globais estarão usando IA, análises avançadas e IoT nas suas operações da cadeia de suprimentos. Movimento justificado pelo fato de que estas tecnologias resultarão em aumento significativo de receita ou economia de custos.

 

Gestão da cadeia de suprimentos

A chegada da Covid-19 revelou a extrema fragilidade de cadeias de suprimentos construídas sob conceitos empíricos e manuais. Elas foram incapazes de permitir uma reação rápida a mudanças repentinas de condições, situação que é apontada para se tornar cada vez mais comum nos próximos anos.

É fato que a pandemia acelerou e vai acelerar ainda mais a transformação digital em praticamente todos os segmentos da economia. Isto certamente não será diferente no que se refere à cadeia de suprimentos. Sendo assim, para não perder tempo com dúvidas e não correr risco de erros, o ideal é contar com um parceiro estratégico confiável e completamente integrado às modernas tendências e conceitos da gestão automatizada de supply chain.

Com mais de 35 anos de experiência na aplicação de soluções sob medida com o uso de algoritmos para realizar previsões, simular e otimizar a cadeia de suprimentos, a UniSoma está à disposição para desenvolver um planejamento consistente que leve a gestão de sua operação a um novo patamar de eficiência. Entre em contato.