logo
Top

Sequenciamento de Atividades: resolvendo a programação de operações com agilidade

Forte concorrência, demanda variável, ciclo de vida de produto cada vez mais curtos e cadeias de abastecimento cada vez mais ágeis. São incontáveis os aspectos que adicionam cada vez mais complexidade aos processos produtivos modernos, demandando uma estrutura de informações e conhecimento profundo e analítico das variáveis de negócio, visando a uma tomada de decisões rápida e assertiva.

Para responder a estes desafios, uma alternativa é recorrer à técnica de programação das operações, que também recebe o nome de Sequenciamento de Atividades (ou scheduling), para a resolução de problemas, geração e execução de planos operacionais mais otimizados.

 

O que é o Sequenciamento de Atividades (ou Scheduling)?

O Sequenciamento de Atividades (ou Scheduling) é a solução de problemas complexos de programação de operações, relacionados à ordenação de atividades de curto prazo ao longo do tempo. Em geral, trata-se de um problema de natureza combinatorial, que envolve um conjunto significativo de variáveis e condicionantes, além dos objetivos do negócio, que precisam ser tratados simultaneamente.

Ainda que seja possível resolver esse tipo de problema de forma empírica e com o suporte de ferramentas básicas de apoio, como o Excel, a aplicação de Inteligência Artificial, com metodologias de otimização matemática é capaz de trazer grande agilidade e benefícios, como:

  • Minimização dos custos operacionais;
  • Redução dos tempos de setups produtivos;
  • Mais velocidade na reprogramação em função de mudanças de premissas;
  • Maior eficiência no uso de recursos.

 

Quando optar por uma solução de Inteligência Artificial?

Algumas condições demandam que a empresa opte pela implementação de soluções mais robustas para o Sequenciamento de Atividades (ou Scheduling):

  • Quando há dificuldade em antecipar acontecimentos e quantificar impactos, ou seja, na falta de clareza quanto aos impactos dos gargalos produtivos ou a respostas para imprevistos;
  • Quando decisões empíricas são a base do planejamento e, portanto, geram incerteza se realmente o caminho escolhido é a melhor alternativa;
  • Quando falta ferramental de apoio à decisão, afetando a agilidade e dificultando a análise de alternativas;
  • Quando há problemas de escala, ou seja, pequenas alterações na carteira de pedidos ou nas condições de produção geram grandes impactos nas operações.

 

Como funciona na prática

Durante o S&OP ou na fase de orçamentação, as empresas fazem o planejamento tático de suas operações. Por mais detalhado que seja feito, inclusive em nível de SKUs, esse planejamento costuma ser mais agregado. Este plano busca entender o mix de produtos a ser produzidos, sem focar, naquele momento, na ordem dessa produção. O objetivo nesse nível de decisão está, usualmente, relacionado a garantir o melhor resultado financeiro e maximizar a margem de contribuição.

 

Quando chega ao nível operacional, uma série de eventos do dia-a-dia distanciam a execução real daquilo que foi  planejado anteriormente. No momento da produção, a escolha da melhor ordenação das atividades definirá como será o atendimento da carteira de pedidos (usualmente diferente das previsões de demanda utilizadas como base nos planejamentos táticos), sendo que condições operacionais específicas, que não foram levadas em consideração no primeiro nível de planejamento, podem interferir no mix de produtos produzidos.

 

É aí que a Inteligência Artificial para o sequenciamento otimizado é capaz de fazer toda a diferença. Com ela, é possível ficar o mais próximo possível das metas geradas no planejamento tático, apesar das diferenças que surgirem no dia-a-dia e, desta forma, garantir o atendimento da carteira, redução dos setups e custos produtivos, sem perder o foco nos critérios financeiros definidos.

 

Vantagens do uso de Inteligência Artificial

Considerando que o contexto está relacionado a decisões mais voltadas ao ambiente operacional – e, portanto, muito mais dinâmico –, se analisado do ponto de vista matemático, consiste em um problema mais complexo de se resolver do que aqueles táticos ou estratégicos. Por esse motivo, optar por uma solução de Inteligência Artificial, feita sob medida, que ajude na programação da sequência ótima de atividades traz inúmeras vantagens aos negócios:

 

  • Considera, simultaneamente, as variáveis, detalhes e condicionantes produtivas que influenciam nas tomadas de decisões, além dos objetivos de negócio envolvidos;
  • Amplia as chances de encontrar oportunidades que não seriam visíveis na tomada de decisão humana;
  • Vai além de busca por soluções viáveis, apontando soluções segundo critérios importantes para a empresa (minimização do tempo de setups produtivos, por exemplo), o chamado scheduling “ótimo”;
  • Viabiliza um rápido recálculo da sequência de atividades, respondendo a eventos inesperados que poderiam, até mesmo, invalidar programações;
  • Gera sugestões automáticas, transformando um ambiente empírico em analítico;
  • Valoriza a função estratégica do decisor, para que dedique seu tempo e conhecimento ao negócio e análise de cenários;
  • Apresenta aderência aos condicionantes operacionais, trazendo soluções viáveis que respeitam o conjunto de restrições que limitam as decisões (exemplo: capacidades, disponibilidades, matriz de setups, etc);
  • Traz respostas ágeis e dinâmicas, seja a eventos programados ou inesperados na rotina de produção.

 

Imagine, por exemplo, uma situação de entrada de pedido emergencial. Com a Inteligência Artificial, os algoritmos são capazes de apontar, em poucos minutos, o melhor momento para a produção e indicar alternativas de deslocamento de outros pedidos na programação. Paralelamente a isso, permite ao planejador antecipar impactos em relação a atendimento de carteira, nível de setup, custos produtivos, entre outros.

 

Gerar um comportamento produtivo coordenado e contar com essa tecnologia de análise de cenários e suporte a decisões operacionais está ao seu alcance. Entre em contato a UniSoma e conheça mais.

 

* Por Luciano Moura, Diretor de Negócios da UniSoma