logo
Top

Análise Prescritiva: o caminho para decisões analíticas

 

Imagine a cadeia de suprimentos de uma empresa, ou seu sistema logístico, ou até mesmo seu processo de precificação de itens. Certamente ela reúne dados gerados por várias fontes e ainda, produz uma outra grande quantidade de referências. Caso não haja como extrair valor desse enorme volume de dados, qual o sentido de mantê-los armazenados? Fazemos isso apenas por “compliance”? Será que não existe uma forma diferente de utilizarmos essa enorme massa de dados?

 

Analisar as diferentes variáveis, fazer correlações e tirar informações que sejam realmente relevantes para o negócio, neste ambiente de alta complexidade em que as empresas estão inseridas, em que a geração de dados é abundante, pode ser uma tarefa assustadora. Afinal, é humanamente impossível lidar com todos os dados ao mesmo tempo, principalmente se não contar com o suporte de uma ferramenta adequada.

 

E se eu disser que existe uma possibilidade de que as próximas decisões estratégicas de negócio sejam baseadas em ações recomendadas, derivadas do desempenho passado, das condições atuais e dos resultados desejados para o futuro? Pode parecer complexo à primeira vista, mas a análise prescritiva, uma das soluções dentro da chamada Advanced Analytics, é a resposta que já existe para tornar tudo isso possível.

 

Vou explicar de que maneira ela é capaz de revolucionar a forma como a sua empresa está conduzindo os negócios.

 

O que é análise prescritiva

A análise prescritiva faz parte de um grupo de soluções que vai além do tradicional Business Intelligence. Ela utiliza dados, processos e algoritmos para realizar previsões, simular e otimizar ambientes de negócios. Desde que você tenha dados suficientes para conseguir modelar matematicamente o cenário e as regras de negócio, praticamente não há limites sobre quais informações você pode obter com a análise prescritiva.

 

A possibilidade de prever eventos futuros e se antecipar a eles têm sido tão relevante ao mercado que, de acordo com uma previsão de Gartner, em 2020 a análise prescritiva, junto da preditiva, vai atrair 40% dos investimentos das companhias relacionados a BI e analytics. É assim que gestores terão mais controle dos eventos das empresas e poderão, cada vez mais, entregar experiências customizadas para o mercado.

 

Quando bem modelada e aderente às regras de negócio da empresa, uma solução de análise prescritiva pode lidar com milhões de variáveis, simulações e restrições simultaneamente.

 

Como isso é possível? Técnicas avançadas de modelagem, algoritmos de otimização de alta complexidade e machine learning são algumas das ferramentas utilizadas para a construção de poderosas ferramentas prescritivas.

 

É assim que ela vai ajudar a responder as perguntas: O que deve ser feito? Qual o curso de ação ideal para uma situação dada com base nas prioridades e direcionamentos da empresa? Ou seja, a análise prescritiva é capaz de transformar uma infinidade de dados em informações decisivas e necessárias naquele momento para que o gestor possa tomar uma decisão. Trata-se de uma mudança de paradigma, em que saímos de decisões empíricas, baseadas no “eu acho”, para decisões analíticas, suportada por fatos e dados.

 

A velocidade de processamento dos computadores atuais dá suporte a este processo. Há 10 anos atrás, um modelo matemático poderia levar alguns dias para rodar nos computadores daquela época. Hoje pode ser concluído em minutos. Logo, não faz sentido manter os dados captados simplesmente arquivados durante todo este tempo, se podemos usá-los para nos ajudar a tomar melhores decisões.

 

Além de reduzir significativamente o risco na tomada de decisões, a análise prescritiva é a forma analítica com maior potencial de impacto nos resultados de uma empresa. Isso porque consegue prever não apenas o que vai acontecer, mas também por que vai acontecer e ainda nos diz qual a melhor decisão a ser tomada.

 

Benefícios da Análise Prescritiva

Já não é novidade dizer que a tecnologia promove avanços em diferentes setores. No entanto, a adoção de inovações depende do momento e da maturidade das empresas. O mesmo ocorre em relação à análise prescritiva. Por ser uma estratégia complexa, muitas empresas ainda não a utilizam, muitas vezes por desconhecimento, por mais evidentes que sejam os benefícios trazidos aos negócios e às tomadas de decisão – segundo a Gartner, apenas 3% das empresas fazem uso dessa análise.

 

Confira abaixo as principais vantagens que uma empresa pode ter ao adotar essa solução:

  • Tomada de decisão baseada em dados, permitindo visão dos custos, processos e desempenho, de ponta a ponta;
  • Quantificação de riscos e visão de ações ideais a serem tomadas em diferentes circunstâncias;
  • Melhores decisões em marketing e vendas trazendo para a inteligência de negócios informações de impacto significativo
  • Otimização da produção e aumento de produtividade e qualidade, por meio do melhor gerenciamento da cadeia de suprimentos;
  • Garante melhor atendimento e experiência do cliente, com a entrega do produto certo, no momento certo;
  • Melhores resultados financeiros por meio do planejamento aprimorado, considerando a tomada de decisão baseada em dados.

 

Por outro lado, a maior barreira para a adoção da análise prescritiva está na quebra de paradigmas. É comum que este tipo de análise indique uma tomada de decisão que não havia sido pensada antes ou que não necessariamente acompanhe o feeling do gestor. A questão é que a análise prescritiva não vem para combater ideias. Ela vem para agregar. Assim, é importante destacar que as soluções prescritivas não tomam decisões sozinhas. Elas analisam o cenário e indicam a melhor coisa a ser feita. A decisão final sempre caberá ao gestor.

 

Futuro

Cultivar uma visão holística do mercado, entender como a empresa está inserida neste contexto e competitiva diante de seus concorrentes requer um ambiente analítico robusto. Paralelamente, o alto volume de dados cria a necessidade de adoção de técnicas cada vez mais sofisticadas.

Investimentos em novos equipamentos ou posicionamento geográfico de um novo Centro de Distribuição são exemplos de decisões estratégicas de longo prazo suportados por soluções prescritivas. Decisões táticas, de médio prazo, como alocação de recursos durante o ano ou o melhor mix de produtos a ser produzido no próximo mês também podem ser concluídas dos modelos prescritivos. Além disso, informações operacionais, do dia a dia, como a melhor sequência de produção, podem ser tipicamente extraídas pela análise prescritiva.

 

A entrada dos modelos prescritivos nos ambientes de negócio é um caminho sem volta. Em um ambiente cada vez mais competitivo e produtos facilmente “copiados”, criar valor na sua oferta não é uma tarefa fácil. Atualmente, praticamente todos os segmentos de negócio conseguem extrair informações de suporte à tomada de decisão. Do agronegócio à indústria aeronáutica, todos devem evoluir neste tema ou terão dificuldade para se manterem competitivos.

 

Michel Duran é Gerente de Marketing e Vendas da UniSoma

É Bacharel em Matemática Aplicada e Computacional pela Unicamp e possui MBA em Gestão de Empresas pela ESPM.

Post a Comment